O ódio que você semeia, Angie Thomas

by - sexta-feira, janeiro 04, 2019

Foto: Colorindo Nuvens
"Starr aprendeu com os pais, ainda muito nova, como uma pessoa negra deve se comportar na frente de um policial. Não faça movimentos bruscos. Deixe sempre as mãos à mostra. Só fale quando te perguntarem algo. Seja obediente. Quando ela e seu amigo, Khalil, são parados por uma viatura, tudo o que Starr espera é que Khalil também conheça essas regras. Um movimento errado, uma suposição e os tiros disparam. De repente o amigo de infância da garota está no chão, coberto de sangue. Morto. Em luto, indignada com a injustiça tão explícita que presenciou e vivendo em duas realidades tão distintas (durante o dia, estuda numa escola cara, com colegas brancos e muito ricos - no fim da aula, volta para seu bairro, periférico e negro, um gueto dominado pelas gangues e oprimido pela polícia), Starr precisa descobrir a sua voz. Precisa decidir o que fazer com o triste poder que recebeu ao ser a única testemunha de um crime que pode ter um desfecho tão injusto como seu início. Acima de tudo Starr precisa fazer a coisa certa. Angie Thomas, numa narrativa muito dinâmica, divertida, mas ainda assim, direta e firme, fala de racismo de uma forma nova para jovens leitores. Este é um livro que não se pode ignorar."

   O ódio que você semeia foi um dos livros que eu deixei por encalhar durante um bom tempo na estante, recebi em 2017 quando ainda era parceira da editora, mas por ter chegado com meses de atraso em casa, acabei não lendo na época de lançamento e lá ele foi ficando, esperando uma oportunidade. Só ouvia ótimos comentários a respeito do livro, mas acabei procrastinando e deixando pra ler nos 45 do segundo tempo, três dias antes do lançamento do filme, o qual infelizmente não foi distribuído na minha cidade.

    Já fazia algum tempo que eu não lia um bom Young Adult, então me deixei levar sem saber o que esperar e aproveitei ao máximo a experiência. A escrita de Angie é inclusiva e te deixa a par da situação em poucas páginas, a narrativa começa a se desenrolar rapidamente e cada parágrafo é um soco no estômago. Foi muito interessante e enriquecedor reconhecer e engolir meu privilégio, como branca, e ver a história de um outro ponto de vista. Não que eu fosse ignorante à certas questões, só foi diferente vê-las de perspectivas diferentes.

    O livro discute, através de Starr, o preconceito enraizado na sociedade de forma simples e objetiva, mostra como nos EUA brancos e negros ainda são divididos e a presença forte do racismo por lá, além de abordar a temática da menina negra que namora um rapaz branco, tem amigos brancos e ouve música de branco, o que a deixa dividida e confusa e funciona como o ponta pé para um ativismo que passa a surgir dentro dela, de se questionar sobre tudo.

   O ódio que você semeia aborda o tráfico, o ativismo negro, as minorias, o abuso de poder dos policiais, o racismo, a diferença discrepante entre as classes e várias outras questões. Amei a leitura e favoritei o livro, tive uma montanha russa de sentimentos durante a leitura, passei a olhar de forma mais crítica ainda o sistema e a forma como as raças se dividem, foi enriquecedor. Indico a todo e qualquer ser humano, goste ou não de ler.

O ódio que você semeia | Angie Thomas | Young Adult | Galera Record | 5 estrelas/ Favorito | Skoob

You May Also Like

14 comentários

  1. Oie!

    Esse foi um dos livros mais intensos que li no ano passado, também senti um turbilhão de sentimentos e me levou a várias reflexões.
    Adorei a resenha e também recomendo para todos. Leitura obrigatória.

    bjs
    Fernanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora estou ansiosa para ver o filme, uma pena que não foi distribuído na minha cidade...

      Excluir
  2. Oie. Eu gostei bastante desse livro na época que eu li. Mas uma amiga me mostrou pontos que não tinha notado. Como o modo com o qual os familiares da Starr parecem tratar o namorado dela... Hoje em dia não é mais um top list de recomendações.
    Beijos.

    Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, fiquei curiosa pra saber mais do seu ponto de vista atual sobre essa questão. Volta aqui, Jéss, vamos conversar!

      Excluir
  3. Esse é um livro que ainda quero ler! Uma pena que a adaptação passou em poucos cinemas, aqui também não teve. Pior ainda é a gente se esforçar pra ler antes da estreia do filme e a estreia não acontecer na nossa cidade, né? Aconteceu comigo com Uma dobra no tempo e até hoje não assisti o filme (porque depois me deu preguiça de procurar rsr). Quanto a história desse livro, deve ser mesmo uma leitura muito enriquecedora! Tenho lido outros livros de autoras negras e é sempre uma experiência única conhecer um pouco mais das suas vivências. Muito bacana!

    Beijos,
    Isa
    taglibraryisa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SIM! Porque é uma perspectiva de vida completamente diferente da minha e, por tanto, muito enriquecedora mesmo. Poxa, Uma dobra no tempo eu não li, mas fiquei curiosa agora que você falou...

      Excluir
  4. Ei! Tudo bem?

    Sou louca para ler o livro, acredito que seja a história que faz um humano se tornar mais humano. É necessário a leitura, principalmente na atualidade. Queria esperar o filme para ler prestes a lança-lo, mas também não tive acesso e acabei adiando a leitura. Espero fazer em breve.

    Beijos!
    http://www.365coresdouniverso.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cecí, espero que pelo menos a Netflix distribua depois. Enquanto isso, dê uma chance ao livro, sério, vale muito a pena!

      Excluir
  5. Olá Taí, tudo bem?

    "O Ódio que Você Semeia" é um livro que só recebe elogios, e demos graças aos Céus, pois ele foi escrito. Lembro que eu não tinha muito interesse em lê-lo antes de saber sobre a obra com mais calma. Acho que foi em uma entrevista da própria autora, que li certa vez em um site, onde acabei ficando ainda mais interessada no livro. Pensando melhor, ele não é apenas um livro com representatividade, mas uma obra com raízes mesmo. Com lugar de fala. Escrito por gente que viveu o que escreve. ❤👏👏👏

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, exatamente Jessie! Lembro que saí recomendando pra todo mundo quando terminei a leitura, pretendo reler ainda um dia, foi único.

      Excluir
  6. Oiii,
    Adorei saber tuas impressões, eu sou louca para ler esse livro e se tudo der certo ainda pretendo ler ainda este ano hahaha. Acho legal quando uma trama aborda temas tão importantes e delicados como este, que muitas vezes, a maioria das pessoas acabam fechando os olhos, muitas vezes por não verem realmente o que ocorre ali ou por não se importar ou porque preferem fingir que não acontece. Enfim, há varias aspectos da nossa sociedade que temos que tratar e curar para vivermos bem uns com os outros.

    Bjokas!
    http://cronicasdeeloise.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que leia e goste tanto quanto eu, Elô, é um livro muito rico em vários aspectos. Muda nossa forma de pensar...

      Excluir
  7. Olá, livros assim são importantes e as discussões levantadas a respeito dos temas abordados necessárias e eu diria mais fundamental para sociedade. Mas o que me chamou muito a atenção foi o chamamento a responsabilidade de cada um a partir do título. Afinal é uma afirmação que serve pra quem lê. Qual o ódio que eu semeio? E cada leitor que começa a tentar responder essa leitura dá um passo em direção a um mundo melhor. Elis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótima colocação, ELis, acho que o que a autora quis passar foi exatamente isso. A ideia, ao meu ver, era fazer a gente pôr a mão na consciência e pensar o que estamos semeando, por quê e como isso afeta o outro.

      Excluir

Tecnologia do Blogger.