5 Coisas que não te contam sobre a faculdade de Gastronomia

by - segunda-feira, janeiro 07, 2019

Photo by Caroline Attwood on Unsplash
     Ás vésperas da minha colação de grau, resolvi que preciso - e quero - compartilhar aqui um pouco mais das minhas experiências com a faculdade de Gastronomia. Já fui aprovada no TCC e em todas as matérias, mas ainda não caiu a ficha de que estou "formada", até porque a Gastronomia é uma área que exige atualização constante e eu nunca vou me dar ao luxo de deixar de estudar novas tendências e técnicas, mas enquanto ainda não decido se vou ou não fazer pós e em qual vertente, decidi que pelo menos por aqui vou abordar mais o assunto. 

     Lembrando que todas as informações presentes aqui neste post foram tiradas exclusivamente da minha experiência na faculdade e diante da minha perspectiva da profissão, hoje eu vou contar pra vocês 5 coisas que não te contam sobre a faculdade de Gastronomia, então se você caiu de paraquedas por aqui e está pensando em cursar a faculdade, preste atenção nas dicas! 

Tem muita teoria, sim

Se engana quem entra na faculdade de Gastronomia achando que vai cozinhar todos os dias os mais diversos pratos do mundo. Existem, é óbvio, diversas grades diferentes e a quantidade de aulas teóricas e práticas vão variar de acordo com a universidade de sua escolha, mas a maioria das grades que eu pesquisei na época do vestibular possuía uma quantidade considerável de disciplinas teóricas. A Gastronomia não se resume apenas na boca do fogão, tem bioquímica; microbiologia; higiene; administração, nutrição e várias outras matérias que agregam - e muito - conhecimento necessário. Afinal, você precisa conhecer e entender como os alimentos interagem, contrastam e harmonizam antes de criar um prato. E acredite, muita gente entra no curso sem essa perspectiva e se decepciona, então esteja preparado caso a área te interesse. 

Você vai comer muita coisa "estranha"

Eu nunca me considerei "enjoada" quando o assunto é comida, sempre comi de tudo e realmente são poucas as coisas que ainda não tive curiosidade ou vontade de experimentar, a maioria foi falta de oportunidade mesmo. Mas na faculdade eu provei muita coisa diferente, exótica e que muitos dos meus colegas não tiveram coragem de experimentar e quem sou eu pra cagar regra do quê alguém come ou deixa de comer né? Mas na visão que eu tenho hoje, quem quer ter carreira na área tem que se arriscar e botar a cara no sol, mesmo que for pra nunca mais comer determinado prato de novo, faz parte da vida de um cozinheiro saber o gosto de cada ingrediente que ele utiliza, até mesmo pra saber quais tipos de tempero ele vai utilizar. 

Gastronomia não é "Masterchef"!

Aqui está um ponto muito polêmico pra quem estuda ou quer estudar Gastronomia. No começo do curso minha sala tinha em torno de 70 alunos e acredite se quiser, menos da metade vai se formar comigo. Muita gente entra no curso com a ideia errada, com uma imagem "glamourosa" da cozinha, do salário e várias outras coisas e eu vou te dizer: a cozinha não tem nada disso. É avental sujo; louça pra lavar; a mão que fica com cheiro de tempero; a unha curta; cabelo preso e escondido; calor o tempo todo e muita correria. É um lugar mágico em sua maneira, mas o único glamour na Gastronomia é o olhar e a reação das pessoas quando provam o prato e sentem tudo aquilo que você quis transmitir através de sabores únicos. O "Masterchef" foi só um exemplo e longe de mim criticar quem quis, quer ou já participou de reality shows como esses, só quis transmitir a ideia de que trabalhar na cozinha é muito mais difícil e muito menos chique do que vemos na TV

É preciso ter personalidade

Ter personalidade vale muito em qualquer área que você deseje trabalhar, seja com Moda, Arquitetura, Música ou qualquer outra coisa, mas muita gente (e quando eu digo muita gente, falo baseada nas minhas experiências e pessoas que conheci durante a faculdade) não pensa assim. Nos primeiros semestres aprendemos reproduzir desde os pratos mais clássicos até os mais contemporâneos, aprendemos muitas técnicas e combinações de temperos e sabores diferentes, mas uma das lições mais valiosas que eu aprendi na faculdade é que sem personalidade ninguém se destaca na área. Percebam que eu nem falo de criatividade, o que também é necessário e bem vindo, falo da habilidade de dar a sua cara pra sua cozinha, de trazer quem você é e as suas origens pra cada prato que você criar, afinal, reproduzir receitas hoje em dia nem é tão complicado se você tiver um pacote de dados e um smartphone nas mãos. 

Gostar de cozinhar não é o suficiente 

Em alguns momentos  eu senti que a culinária não era pra mim, que estava cursando a faculdade errada e até mesmo pensei em desistir. Porque gostar de cozinhar não é o suficiente, por tudo o que eu já citei aqui e várias outras questões, tem que ser persistente, tem que estar preparado pra "se virar nos 30", tem que ter ousadia, mas também pulso firme pra ouvir as críticas. E eu falo isso me baseando no que eu aprendi na faculdade, imagine dentro de uma cozinha de verdade... Gostar de cozinhar nos finais de semana pros amigos é bacana, ter mão boa na cozinha é ótimo, mas nada disso é o suficiente pra encarar a Gastronomia, estas são características que podem te colocar no caminho, claro, mas quem quer trabalhar na área e viver disso, tem que se apaixonar de verdade pela cozinha. É claro que isso pode acontecer durante o decorrer do curso, mas muitas vezes não acontece e acaba fazendo com que muitas pessoas abandonem a área. 

    E se você ainda tem curiosidades e gostaria de saber mais sobre a profissão conheçam a Stephanie Ferreira, do Quase Mineira, que também é formada na área e que inclusive foi minha madrinha inspiradora na época de vestibular! 

You May Also Like

0 comentários

Tecnologia do Blogger.